Meias em 1968, 1999 e 2008

Quem quiser utilizar os textos do Brazilian Red Devils, favor ter a decência de dar o crédito de onde tirou o texto. E isso de maneira clara e legível para todos os visitantes

Tradução de matéria do Manchester Evening News

David Sadler ( 1968 )

Nascido em Kent e atualmente colunista do Manchester Evening News, David Sadler era o mais versátil do time de 1968. Gastou boa parte da carreira no United no miolo da zaga, mas também tinha categoria para jogar no ataque. Apesar disso, foi escalado no meio contra o Benfica, ao lado de Pat Crerand e Sir Bobby Charlton. Embora não tenha sido um dos heróis mais lembrados da conquista, sua contribuição não pode ser esquecida. Sadler ganhou medalhas de campeão inglês em 1965 e 1967 e era bom o bastante para ser convocado para a seleção inglesa. Passou 11 anos em Old Trafford, antes de se transferir para o Preston North End.

 

John Aston ( 1968 )

Muitos dos que estavam em Wembley naquela noite acham que ele foi o Man of the Match contra o Benfica. Repetidas vezes o winger esquerdo nascido em Manchester desceu em velocidade, criando pânico e incerteza na defesa adversária sempre que tocava na bola. Rápido e direto, fazia cruzamentos perfeitos e tinha potência no chute com pé esquerdo. A European Cup se revelou o ápice de sua carreira. Incapaz de manter o mesmo nível, as aparições de Aston foram limitadas até o momento em que trocou o clube, em 1972, pelo Luton Town. Também jogou pelo Mansfield, antes de voltar a viver em Audenshaw. Seu pai John foi parte do time do United campeão da FA Cup de 1948 e mais tarde se transformou em técnico na base e chefe dos scouts.

 

Bobby Charlton ( 1968 )

Em determinado momento da carreira, foi considerado o melhor jogador do planeta. Todo fã de Broughton a Beijing, Weaste a Woollangon conhecia “nosso Bobby”. Serviu o United impecavelmente por três décadas e “lenda” é palavra que poderia ter sido inventada para descrever sua contribuição para a história do Manchester United. Possuía o mais preciso chute do futebol britânico, mas marcou o primeiro gol da final com uma rara cabeçada. O segundo resumiu uma noite emocionante para Charlton e Sir Matt Busby. Finalizava com força e perícia com os dois pés e tinha velocidade e habilidade para passar pelos marcadores. Também vestiu a camisa do English Team 106 vezes e a marca de 49 gols ainda não foi ultrapassada. Seu recorde de aparições pelo Manchester United acabou de ser igualado por Ryan Giggs. Trabalhou brevemente como técnico no Preston North End depois de deixar Old Trafford em 1973, mas não com grande sucesso. Um genuíno ícone do jogo.

 

David Beckham ( 1999 )

“BECKS” sempre se considerou um meia que atua melhor pelo meio, apesar da maioria não concordar com isso. Graças às ausências de Scholes e Keane, ele atuou na sua posição preferida contra o Bayern. De qualquer forma, não foi até o ex-ídolo de Old Trafford reverter para sua antiga função no lado direito que o United começou a ameaçar. No seu dia, ninguém era capaz de cruzamento mais perigoso ou falta mais mortal. E apesar da pompa, Beckham era o trabalhador mais árduo do meio-de-campo do Manchester United. Muito pulmão associado ao incrível desejo de vencer. Seus detratores diziam que lhe faltava velocidade e não era naturalmente habilidoso. Outro dos integrantes do time de 1999 a deixar o clube após divergência com Alex Ferguson. Recentemente atuou pela 100a. vez com a camisa da seleção.

 

Ryan Giggs ( 1999 )

Começou como winger direito em Barcelona, mas mais tarde reverteu para seu mais familiar território pelo lado esquerdo quando Blomqvist foi substituído. E pela maior parte de sua carreira estelar, o camisa 11 mostrou o que podia fazer pelo setor. Recebeu o apelido de “novo George Best” quando apareceu no time de cima. Mas enquanto mostrava habilidade e velocidade semelhante, não era uma comparação fácil. Certamente o filho do astro do rugby Danny Wilson era tão naturalmente dotado de talento quanto Georgie. Frequentemente com o papel de criar chances em vez de balançar a rede, mesmo assim marcou mais de 100 gols pela liga. Tem assegurado um lugar no Hall of Fame de Old Trafford. Ao contrário de Best, é avesso a publicidade e evitou as controvérsia que eventualmente destruiram o irlandês.

 

Jesper Blomqvist ( 1999 )

O winger sueco jogou pelo Gothenburg, Milan e Parma antes de chegar a Old Trafford em 1998 por 5 milhões de libras. Infelizmente, os torcedores do United raramente viram o melhor dele por causa de lesões. Blomqvist foi contratado para colocar pressão em Ryan Giggs e talvez o substituir depois de alguns anos. Não aconteceu dessa forma, mesmo com ele sendo membro importante do elenco que ganhou o Treble. Blomqvist recebeu a incumbência de jogar pelo lado esquerdo na final, mas não teve real impacto até ser substituído. De fato, a decisão foi sua última partida com a camisa vermelha, embora não tenha deixado o clube até 2001. O sueco tentou a sorte com Everton e Charlton, mas outros problemas físicos colocaram fim a sua carreira no futebol inglês.

 

Paul Scholes ( 2008 )

“Ginger Magician” está pronto a deixar nove anos de sofrimento para trás quando entrar em campo contra o Chelsea. Suspenso na final de 1999, agora tem a chance de atuar no último título que falta na sua carreira (jogando). Mostrou com seu espetacular chute na semifinal contra o Barcelona o quanto é importante à causa Red Devil. Scholes é conhecido por marcar gols espetaculares, mas é também o meia mais completo meia da Premiership. Frank Lampard pode estar perto, mas os torcedores do United não o trocariam pelo “pequeno general”. Talvez não o perfeito roubador de bolas, mas todos podem ter uma pequena falha. Sua decisão de encerrar a carreira com a camisa da seleção quando estava no auge apenas beneficiou o United. Jogador para grandes ocasiões. Chelsea beware!

 

Cristiano Ronaldo ( 2008 )

Quantos superlativos merece o astro português? Ele certamente fez por jus nesta temporada com recordes 41 gols e talvez mais por vir na quarta-feira. Ronaldo é o mais excitante talento do futebol atual com a habilidade para destruir as mais fortes defesas. Pode passar pelos marcadores com estonteante velocidade ou jogo de pés que não fariam feio no Strictly Come Dancing. Marca gols com os dois pés e qualquer centroavante de peso deve invejar a força de Ronaldo no jogo aéreo. Poderia ensinar até a David Beckham alguns truques nas cobranças de falta, tendo o Real Madrid disposto a pagar 100 milhões de libras pelo seu talento. É dito que ele não mostra tudo o que pode nos grandes jogos e agora ele tem oportunidade maravilhosa de remover qualquer vestígio de dúvida quanto ao seu talento.

 

Anderson ( 2008 )

Sir Alex Ferguson tem riqueza de opções para a última vaga no meio-de-campo. Anderson tem todas as chances de terminar sua primeira temporada na Inglaterra com a medalha de campeão da Champions League. Apesar da tenra idade – tem 20 anos – chegou do Porto com enorme reputação e no início teve problemas para corresponder às expectativas. Mas não demorou para ele mostrar o talento que o fez ser um dos jovens mais cobiçados do futebol mundial. Pode jogar aberto pela esquerda ou pelo meio com a típica classe sul-americana. Pode mostrar todos os truques latinos e mais alguns. Seu centro de gravidade torna difícil para os oponentes derrubá-lo e tem passe que pode ser mortal.

@ Copyright Brazilian Red Devils – 2008

Anúncios

Uma resposta para “Meias em 1968, 1999 e 2008

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s